quinta-feira, 15 de junho de 2017

O declínio da Madeira- Mamoré

No momento em que se concluía as obras da estrada de ferro, os seringais plantados na Malásia entraram em produção, e tornaram proibitivos os preços da borracha produzida na Amazônia segundo técnicas antiquadas e de baixa produtividade. Foi o fim do chamado "primeiro ciclo da borracha".
Diante de seguidos prejuízos, resultantes basicamente do declínio do comércio da borracha com os produtores da Amazônia, e da ausência de novos produtos a transportar, em junho de 1931, a Madeira-Mamoré Railway Company paralisou o tráfego.
Não havendo o retorno das atividades do transporte pela Companhia o Governo Federal, mesmo com prejuízos, assumiu o controle da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, passando a administrá-la totalmente. Foi definitivamente desativada em 01 de julho de 1972, simplesmente, por não ter mais o que transportar, uma vez o grande motivo da sua construção, a borracha, já não era mais viável à produção e comercialização.
No entanto, a construção da Ferrovia Madeira-Mamoré marcou um importante ponto nas relações diplomáticas entre Brasil e Bolívia. Constitui-se, além disso, um elemento definidor da ação Imperialista de potências estrangeiras na região amazônica. A Madeira-Mamoré representa um dos marcos da modernidade capitalista liberal nos confins da selva amazônica.

FONSECA, Dante Ribeiro da & TEIXEIRA, Marco Antônio Domingues.

Trilho ás margens dos rios Madeira e Mamoré – ferrovia do diabo

A construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré é o principal marco histórico da conquista e do desbravamento da região onde atualmente é o estado de Rondônia. Um feito humano que por longas cinco décadas, ao ser finalmente concluída em 1912, apresentava um rastro de aproximadamente 6.000 trabalhadores mortos. As causas de tantas mortes foram as mais diversas: acidentes de trabalhos, doenças tropicais, ataques de índios e de animais selvagens, acidentes, desaparecimentos na mata, etc.
Ao final da construção a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, às margens dos rios Mamoré e Madeira em Rondônia, apresentava 364 quilômetros de extensão. Não tendo como escoar a produção de borracha por seu território, a Bolívia precisava de uma rota sólida para chegar ao Atlântico. Para isso era preciso subir os rios Mamoré, em solo boliviano, e Madeira, no Brasil O grande empecilho estava no trecho encachoeirado do rio Madeira, cerca de 300km entre o rio Mamoré e Santo Antônio do Madeira.
Naquele momento, o Brasil também tinha interesse no projeto porque poderia aproveitar a ferrovia para transportar sua produção de látex, muito valorizado no mundo. No entanto, logo se percebeu as dificuldades a serem enfrentadas. Nos 10 primeiros anos, apenas 6 quilômetros de trilhos foram assentados.
Mais de 20.000 operários (alguns autores falam em 34.000), Pessoas de cerca de 40 nacionalidades participaram da construção da Madeira-Mamoré. Foi oficialmente inaugurada em 1º de agosto de 1912 e desativada em 1972. A soma de dificuldades que acompanhou toda a construção da ferrovia Madeira-Mamoré deu-lhe um aspecto exageradamente catastrófico, no Brasil e no exterior. As moléstias que mais castigaram os operários foram:
Ø  A pneumonia, que grassava nas obras, causando cerca de 60% de mortes entre os afetados.
Ø  O sarampo, moléstia trazida à região pelo vapor Borborema, em 1910.
Ø  A ancilostomíase, infecção intestinal que atacou cerca de 80% dos operários.
Ø  O beribéri, de causa ignorada à época da construção. Atacou parcela pequena de trabalhadores.
Ø  A febre amarela, trazida por passageiros vindos de Manaus, não chegou a disseminar.
Ø  O impaludismo. Foi o grande mal, e grande a mortandade por ele causada. Devido a ela, Oswaldo Cruz chegou a afirmar que a população local "não sabia o que era estado saudável", a condição de ser enfermo era a normalidade.
Nesse aspecto de fatalidades, histórias e lendas, a Madeira-Mamoré recebeu várias denominações que procuravam identificá-la muito mais com seus graves problemas do que com seus benefícios sociais, políticos e econômicos. Entre os diversos contextos denominam-na de: “Estrada dos Trilhos de Ouro”, “Ferrovia do Diabo”, “Ferrovia de Deus”, e “Ferrovia da Morte”, que serviram para ligar sua construção aos seus dramas. Dizia-se também que cada um dos seus dormentes representa uma vida, para avaliar de forma exagerada o número de trabalhadores mortos no decorrer da sua construção.

Uma ferrovia no meio da floresta amazônica

As ferrovias no Brasil surgiram no século XIX quando Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá as trouxe para o país. Na época o café era o carro chefe da economia no Brasil e em detrimento à falta de transporte, constantemente perdia-se a produção.
O sucesso do novo transporte, não demorou muito para que outras regiões entrassem na moda das ferrovias do Sudeste. Deste modo, o governo brasileiro decidiu iniciar no estado de Rondônia uma imensa ferrovia que cortaria grande parte da floresta amazônica e escoaria o produto principal daquela região: a borracha.
A ideia de construí-la surgiu na Bolívia, em 1846. O país não tinha como escoar a produção de borracha por seu território. O único jeito seria usar o Oceano Atlântico. Mas, para isso, era preciso subir os rios Mamoré, em solo boliviano, e Madeira, no Brasil.
O percurso fluvial tinha, porém, 20 cachoeiras que impediam sua navegação. Pensou-se então na construção de uma estrada de ferro que cobrisse por terra o trecho problemático. O Brasil tinha interesse no projeto porque também poderia aproveitar a ferrovia para transportar sua produção de látex. O produto, chamado na época de ouro branco, muito valorizado no mundo.

Tratado de Petrópolis

O Tratado de Petrópolis foi assinado a 17 de novembro de 1903 entre os governos do Brasil e da Bolívia. É um Tratado de Permuta que resultou na entrega do território do Acre ao Brasil, efetivamente ocupado pelos seringueiros brasileiros durante a corrida à borracha da floresta amazônica. A região do rio acre era no início do século XX, uma região pertencente ao país vizinho, a Bolívia, em razão dos tratados de Madri, Santo Ildefonso e Avacucho que sucessivamente estava sendo ocupada por seringueiros brasileiros em virtude da extração da borracha.
Diante do agravamento dos conflitos na região, o governo brasileiro, procurando resolvê-los de diplomaticamente colocou a disposição para as negociações, o Barão do Rio Branco, que resultaram no Tratado de Petrópolis. A assinatura do documento formalizou a incorporação do Acre ao território brasileiro. Com esse acordo, o Brasil pagou à Bolívia a quantia de 2 milhões de libras esterlinas e indenizou o Bolivian Syndicate em 110 mil libras esterlinas pela rescisão do contrato de arrendamento, firmado em 1901 com o governo boliviano.

Por outro lado, o Brasil cedia algumas terras no Amazonas e se comprometia a construir a Estrada de Ferro Madeira-Mamoré no trecho encachoeira do rio Madeira partindo de Santo Antônio até Guajará Mirim para que a Bolívia pudesse escoar sua produção fazendo-a chegar até o oceano atlântico.

domingo, 21 de maio de 2017

Quem eram os Soldados da Borracha

Soldados da Borracha foi o nome dados aos brasileiros que entre 1943 e 1945 foram alistados e transportados para a região amazônica pelo Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia, com o objetivo de extrair borracha para os Estados Unidos da América (Acordos de Washington) na II Guerra Mundial. O contingente de Soldados da Borracha é calculado em mais de 55 mil, sendo na grande maioria formado por trabalhadores nordestinos.
Depois de alistados, examinados e dados como habilitados nos alojamentos em Fortaleza, recebiam um kit básico de trabalho na mata, que constitui-se de: uma calça de mescla azul, uma camisa branca de morim, um chapéu de palha, um par de alpercatas, uma mochila, um prato fundo, um talher (colher-garfo), uma caneca de folha de flandes, uma rede, e um maço de cigarros Colomy. Somente ao chegar na Amazônia recebiam o treinamento para a extração da borracha.
Foi prometido aos Soldados da Borracha que, após a guerra, estes retornariam à terra de origem. Na prática, a maioria deles morreu de doenças como malária ou por influência de atrocidades da selva. Os sobreviventes ficaram na Amazônia por não terem dinheiro para pagar a viagem de volta, ou porque estavam endividados com os seringalistas.

RAÚJO, Ariadne. A Saga dos Arigós, A História dos Soldados da Borracha. Ceará, Suplemento especial do jornal O POVO, dia 21 de junho de 1998 Disponível on-lineMaio, 2011
BENCHIMOL, Samuel. Romanceiro da Batalha da Borracha. Manaus: Imprensa Oficial, 1992.

COSTA, Mariete Pinheiro. O Parlamento e os Soldados da Borracha no limiar da 2ª Guerra Mundial. Monografia apresentada ao Programa de Pós-Graduação do Cefor/CD - Curso de Especialização em Instituições e Processos Políticos do Legislativo. Brasília: 2007. Disponível em PDF Maio, 2011

Os ciclo da borracha na Amazônia

Chamamos de ciclo da borracha o momento da história econômica e social do Brasil, relacionado com a extração de latex da seringueira (Hevea brasiliensis) e comercialização da borracha. Teve o seu centro de produção na região amazônia, e proporcionou expansão da colonização, atração de riqueza, transformações culturais e sociais, e grande impulso ao crescimento de Manaus, Porto Velho e Belém
Teve seu auge entre 1879 e 1912 (primeiro ciclo) e em seguida uma sobrevida entre 1942 e 1945 (segundo ciclo), por ocasião da Segunda Guerra Mundial (1939 -1945). Nos dois períodos, o governo brasileiro valeu-se da mão de obra nordestina para a extração do látex e produção da borracha, nos seringais da Amazônia.

O primeiro ciclo da borracha – 1879 a 1912
No decorrer dos primeiros quatro séculos e meio do descobrimento, as populações da vasta região amazônica viviam praticamente em isolamento, uma vez que nem a coroa portuguesa e depois, nem o império brasileiro conseguiram concretizar ações governamentais que incentivassem o progresso na região.
Vivendo do extrativismo vegetal, a economia regional se desenvolveu por ciclos, acompanhando o interesse do mercado nos diversos recursos naturais da região. A produção da borracha de forma exclusiva no período de 1879 a 1912 (primeiro ciclo) passa a gerar lucros e dividendos a quem quer que se aventurasse neste comercio.
A atividade extrativista do látex na Amazônia revelou-se de imediato muito lucrativa. A borracha natural logo conquistou um lugar de destaque nas indústrias da Europa e da América do Norte alcançando elevado preço. Isto fez com que diversas pessoas viessem ao Brasil na intenção de conhecer a seringueira e os métodos e processos de extração, a fim de tentar também lucrar de alguma forma com esta riqueza.
A partir da extração da borracha surgiram várias cidades e povoados, depois também transformados em cidades. Belém e Manaus, que já existiam, passaram então por importante transformação e urbanização e viveram seu apogeu entre 1890 e 1920. Desfrutavam de tecnologias que outras cidades do sul e sudeste do Brasil ainda não possuíam, tais como bondes elétricos avenidas construídas sobre pântanos aterrados, além de edifícios imponentes e luxuosos, como o requintado Teatro Amazonas o Palácio do Governo, o Mercado Municipal e o prédio da Alfândega, no caso de Manaus.
Por sua vez Belém apresentava o Mercado de São Braz Mercado Francisco Bolonha, Teatro da Paz, Palácio Antônio Lemos corredores de mangueiras e diversos palacetes residenciais. Manaus foi a primeira cidade brasileira a ser urbanizada e a segunda a possuir energia elétrica - a primeira foi Belém no Estado do Pará com o período lemista.

Fim do monopólio da produção da borracha na Amazônia
A partir de 1912 a borracha oriunda da Amazônia começa a perder o monopólio da produção, uma vez que os seringais plantados pelos inglês na Malásia no Ceilão e na África tropical, com sementes oriundas da própria Amazônia, passaram a produzir o mesmo produto com maior eficiência. Com custos e preço final menor, a Ásia passa a assumir o controle do comércio mundial do produto.
Sem uma política governamental de incentivo a criação de projetos para o planejamento sustentado da região, a partir da extração do látex, o reflexo é a imediata estagnação das cidades que viviam em torno da extração e comercialização do produto. Os trabalhadores dos seringais, agora desprovidos da renda da extração, fixaram-se na periferia de Manaus em busca de melhores condições de vida.
Algumas tentativas para contornar a crise não tiveram o efeito esperado, dentre elas a criação da Superintendência de Defesa da Borracha, criada pelo governo central do Brasil e o cultivo de seringais na década de 1920, por Henry Ford com técnicas de cultivo especiais na lograram êxito.
O segundo ciclo da borracha – 1942 a 1945
Durante a Segunda Guerra Mundial a Amazônia vivenciou, embora por pouco tempo, um novo ciclo da borracha. Como o domínio forças militares japonesas no Pacífico Sul no decorrer dos primeiros meses de 1942 e a consequente invasão da Malásia, passaram a também ter o controle dos seringais. O resultado foi brusca queda de 97% da produção da borracha asiática.
Novamente o Brasil, além da grande movimentação realizada pela exportação em alta da borracha há a geração de precedentes para novos investimentos nas atividades rurais e extrativistas, no qual permitia perspectivas de propulsão e crescimento de nossa economia. Parte desse ideal surgia da necessidade de viver com os próprios recursos, a fim de estimular o crescimento da riqueza agropecuária nacional e de produtos que poderiam contribuir com suas exportações.
A minimização do problema da seca no nordeste aliada a necessidade da produção da borracha para suprir as Forças Aliadas na produção de material bélico e a colonização da Amazônia, nesta segunda momento, fazem com que o governo brasileiro de Getúlio Vargas em 1941 celebre com governo dos Estados Unidos o Acordo de Washington. Essa ação do governo brasileiro desencadeou uma operação em larga escala de extração de látex na Amazônia. Essa operação que ficou conhecida como a Batalha da Borracha.
Como os seringais estavam abandonados e mais de 35 mil trabalhadores permaneciam na região, o grande desafio de Getúlio Vargas então presidente do Brasil, era aumentar a produção anual de látex de 18 mil para 45 mil toneladas, como previa o acordo. Para isso seria necessária a força braçal de 100 mil homens.
A saída foi o alistamento compulsório no ano de 1943 de trabalhadores nordestinos realizado pelo Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia (SEMTA), com sede em Fortaleza, capital do Ceará, criado pelo então Estado Novo.
Esse movimento levou milhares de trabalhadores de várias regiões do Brasil a serem compulsoriamente levados à escravidão por dívida e à morte por doenças tropicais, desconhecidas até então ou para as quais não possuíam imunidade. Só da região nordestina foram para a Amazônia 54 mil trabalhadores, sendo 30 mil deles apenas do Ceará.
Esses novos seringueiros receberam a denominação de Soldados da Borracha, numa alusão clara de que o papel do seringueiro em suprir as fábricas nos EUA com borracha era tão importante quanto o de combater o regime nazista com armas. Novamente Manaus experimenta um novo crescimento econômico e populacional e a região revive a sensação de riqueza e de pujança com o fortalecimento da economia.
Com final da Segunda Guerra Mundial o Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia foi extinto e um grande contingente de imigrantes, os chamados Soldados da Borracha, ficaram entregue à própria sorte.

http://istoe.com.br/144519_HISTORIAS+INEDITAS+DA+FERROVIA+DO+DIABO/

A borracha e sua importância no século XIX

A borracha e sua importância no século XIX

A grande importância da borracha na indústria se desde o início da Revolução Industrial, no século XVIII. A industrias de máquinas e equipamento e outras de bens de consumo, sempre usaram o derivado do latex como um dos componentes dos seus produtos.
No entanto a grande necessidade pelo uso da borracha surge mesmo no final do século XIX, quando a recém-criada indústria de automóveis estava em plena expansão. A corrida das empresas e da classe média para adquirir o meio de transporte do momento, fizeram com que a demanda pela matéria prima para a fabricação de pneus aumentasse significativamente.
O uso da borracha como matéria prima industrial para a fabricação de pneus se deve aos estudos realizados pelo cientista Charles Goodyear, que desenvolveu o processo de vulcanização, através do qual a resistência e a elasticidade da borracha foram sensivelmente aprimoradas. A região amazônica, uma das maiores produtoras de látex, aproveitou do aumento transformando-se no maior polo de extração e exportação de látex do mundo. No período de três décadas, entre 1830 e 1860, a exportação do látex amazônico foi de 156 para 2.673 toneladas.
Esta rápida expansão da produção de borracha atraiu uma grande quantidade de trabalhadores para a região, principalmente, nordestinos que fugiam da seca que assolava a região e estavam em busca de emprego e melhores condições de vida. O crescimento econômico da região amazônica foi acompanhado de significativo desenvolvimento urbano. Muitas cidades surgiram e outras se desenvolveram como, por exemplo, Manaus, a capital do estado do Amazonas.
Na década de 1910, empresários holandeses e ingleses entraram no lucrativo mercado mundial de borracha. A produção em larga escala e a custos baixos na Ásia (Ceilão, Indonésia e Malásia) fez com que, no começo da década de 1920, a exportação da borracha brasileira caísse significativamente. Chagava assim, o fim do ciclo da borracha no Brasil. Muitas cidades se esvaziaram, entrando em plena decadência.


SOUSA, Rainer Gonçalves. "Ciclo da Borracha"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/historiab/ciclo-borracha.htm>. Acesso em 23 de outubro de 2016.